Necessidades Educativas Especiais

Um blog de professores para professores sobre as necessidades educativas especiais. "O termo NEE's refere-se ao desfasamento entre o nível de comportamento ou de realização da criança e o que dela se espera em função da sua idade cronológica." (in Ministério da Educação e Valorização dos Recursos Humanos)

domingo, 12 de agosto de 2007

A família de alunos com Necessidades Educativas Especiais

Ao longo dos anos tem sido cada vez mais confirmada a ideia, que a família é parte integrante do processo educativo dos alunos e que a sua envolvência na escola é insubstituível e extremamente necessária.
A presença dos encarregados de educação na escola não deve ser apenas na altura da entrega das notas, deve ser ao longo de todo o ano e de forma insistente. Logicamente, compreendemos que a disponibilidade devido à situação profissional é cada vez mais diminuta, contudo existem outros meios para o contacto, como a caderneta do aluno, o telefone, e para os utilizadores das novas tecnologias, o e-mail. O importante é que o encarregado de educação acompanhe de perto o percurso do seu educando, para atempadamente serem postas em prática estratégias que o possam auxiliar da melhor forma a ter sucesso no seu percurso escolar.
Relativamente aos alunos com Necessidades Educativas Especiais, a família tem uma grande importância e é objecto de atenção redobrada, uma vez que a falta de bem-estar no seio da mesma, motivada por complicações ou dificuldades, pode ser a causa dos problemas dos descendentes. A família é um dos pilares mais importantes no processo, e fazendo parte da equipa de intervenção desde o diagnóstico ao tratamento, deve criar condições emocionais e de sustentabilidade ao aluno.
O facto de existir um elemento na família com uma Necessidade Educativa Especial (podendo ser deficiência motora ou física, síndromes, problemas cognitivos e de aprendizagem) faz com que a família enfrente inúmeros desafios e situações difíceis que podem ter um impacto profundo na vivência familiar e resultar em intensa ansiedade e frustração. Os pais e irmãos são confrontados com os sonhos e aspirações que idealizavam, alterando-os perante a realidade e todos sofrerão modificações. Apesar do medo e da insegurança que inicialmente experienciam, algumas famílias são capazes de ser bem sucedidas na adaptação, revelando-se consideravelmente realistas, com capacidade para ultrapassar a situação e para aprender a viver com o problema que enfrentam. Por outro lado as famílias que ao início estão menos preparadas para aceitar o desafio que uma criança com Necessidades Educativas Especiais (NEE) representa, trabalham, adaptam-se e evoluem de forma tão notória, que a situação difícil não produz efeitos negativos, pelo contrário torna-se numa experiência enriquecedora.
Os irmãos (quando não existem, algum familiar chegado da mesma faixa etária) são membros essenciais da família e desempenham um papel diferenciado do dos pais no apoio a uma criança com NEE. Visto ser uma relação que evolui desde a infância, com a partilha de brincadeiras, da casa, dos pais e de experiências familiares, a relação entre irmãos tem o seu “próprio ciclo vital". A escola pode trazer novos amigos, mas é nos irmãos que será encontrado o apoio incondicional, livre de juízos e pensamentos, exercendo uma influência importante e criando-se uma relação de inter ajuda e protecção. Os pais, irmãos e restante família, juntos, devem desenvolver as bases sólidas e sustentadas para proporcionar ao aluno com NEE uma vida o mais normal possível, preparando-o e advertindo-o para possíveis acontecimentos e para o preconceito e crueldade e da sociedade.
Desta forma, nas famílias onde há uma criança com NEE (ligeira ou severa) a tensão durante os vários períodos do seu percurso escolar pode chegar a ser especialmente aguda. Desde o aparecimento do problema, passando pelas várias fases do tratamento até à intervenção, as preocupações familiares são muitas, entre elas, a necessidade de tomar as medidas necessárias para proporcionar uma boa educação à criança com NEE, de minimizar os problemas da criança que surgem de acordo com cada idade e de criar condições financeiras e emocionais para cuidar da criança.
Para isso não há que haver vergonha em pedir ajuda, quer a familiares quer à escola, ou mesmo recorrendo a especialistas. Normalmente, na escola o aluno tem apoio psicológico, orientação psicopedagógica e por parte dos professores, para no mesmo sentido ajudar a combater e a reduzir as consequências, e esse apoio também pode ser dado aos pais.
Se na sua família existe uma criança ou um adolescente com NEE, o que inicialmente deve fazer é procurar informações e esclarecimentos acerca do problema, através dos professores, do médico de família ou mesmo de pesquisas por iniciativa própria, como na Internet ou em livros. Hoje em dia já existem muitos livros e artigos acerca destes temas que apresentam as características, os sintomas, o tratamento e as estratégias de auxílio. Se for o encarregado de educação, acompanhe o seu educando o mais possível e não se esqueça que esta fase também é nova e difícil para ele, e caso necessário, procure acompanhamento e terapia (psicológica e familiar) de forma a eliminar possíveis dúvidas, a edificar uma realidade familiar construtiva e educativa, e a conseguir da melhor forma possível ajudar a sua família e o seu educando a ultrapassar o problema. A criança terá uma melhor evolução ser for acompanha e se sentir o apoio da família, tal como se sentir bem no seio da mesma.
Caros pais e encarregados de educação, no nosso país existem milhares de famílias de alunos com NEE e novos casos a aparecerem diariamente. O principal é não desistir e ser-se persistente porque tudo pode ser ultrapassado e apesar da dificuldade que isso representa, o mais importante é que exista um ambiente de calma, confiança, segurança e apoio incondicional.

Catarina Malveira

artigo publicado no Jornal de Albergaria de Agosto

1 Comentários:

Às 30 de setembro de 2007 às 14:23 , Blogger JFS disse...

Desculpe(m) a intromissão.
Depois de uma busca na net verificamos que o seu (vosso) blogue tratou de questões relacionadas com a deficiência.
Como sabem o governo reduziu na lei do orçamento de 2007 benefícios fiscais a que as pessoas com deficiência tinham direito desde 1988.
Contra esta decisão surgiu o Movimento de Trabalhadores Portadores de Deficiência em Defesa dos Benefícios Fiscais.
A agradecíamos a divulgação da nossa luta por melhores condições de vida para as pessoas com deficiência.
Para mais informação é visitar o nosso blogue http://mtpb.blogspot.com
Obrigado

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial